Não posso continuar apenas olhando pela janela, preciso transpor essa barreira e ser protagonista da minha própria história...

Muitas vezes me sinto como se estivesse numa grande sala de cinema assitindo um filme que começou colorido e que aos poucos foi perdendo as cores e tornando-se preto e branco até ficar completamente cinza, e essa mudança de cor não aconteceu de uma hora para outra, eu apenas tentei no meu íntimo, na minha fragilidade, nos meus temores, não perceber que o colorido estava desbotando e perdendo sua beleza. O processo de tentar esconder de mim mesma foi dolorido, tão dolorido quanto o fim finalmente dito! Nesse filme os dias tem se arrastado, as lágrimas mesmo depois de tanto tempo tem insistido em cair e a dor da perda tem deixado um buraco enorme no peito. Nada está bom, tudo perdeu seu sabor... e mesmo assim estou firme na vida, seguindo meu destino! Que eu nunca mais viva algo assim, um amor frágil que se desfez como escritos na areia que qualquer vento e água apagam deixando só marcas... um amor que nunca teve o mesmo peso e mesma medida para o casal... um amor com tantas dúvidas, nunca foi amor!!!

 

Cheiro de terra molhada e o barulho intenso da chuva caindo, depois diminui e vai ficando só o gotejar cada vez mais lento até o silêncio total... igual as emoções muitas vezes intensas e gritantes, depois vai esgotando, acalmando e se deixando vencer até não restar mais nada, só um vazio e o silêncio ... chove chuva e leva contigo o que pesa na minha alma e no meu coração, leva os sentimentos que me maltratam, me sufocam e que tem calado minha voz, tirado meu riso e deixado apenas o gosto  amargo do fel! Chove chuva...

 

Eu achei que estava bem, iniciando finalmente novos projetos, dando sequência a minha vida e que bom que faz dias que não choro, será que já estou bem e esse estar bem me deixa ao mesmo tempo vazia por não conseguir sentir mais nada? Mas basta ouvir uma música com mais atenção, rever alguma foto ou algum vídeo para perceber que ainda não passou, que a saudade ainda está bem forte maltratando meu coração, a incerteza dos porquês... não me reconheço mais, não sei mais o que sinto, o que quero, só as lágrimas que brotam dos meus olhos insistentemente talvez consigam responder por mim, me dar as respostas que não sei ou quem sabe  estou tentando esconder bem no fundo do meu ser esse amor que tanto me machuca. Há um ano tudo era tão diferente, eu estava tão feliz aguardando sua chegada e desejando que ele encontrasse tudo bem arrumado, tudo feito com todo amor do mundo para que suas férias comigo fossem as melhores de nossas vidas. Tantos planos em vão, tanta alegria para depois haver só tristezas... Quando sei que ele não está bem fico tão preocupada, mas quando acho que está bem, feliz e tocando a vida como deve ser, minha humanidade fala mais alto e fico com muita raiva porque ele me faz sofrer e consegue seguir adiante como se nada tivesse acontecido, mas esse sentimento mesquinho logo vai embora porque tudo o que quero é que ele seja realmente feliz! Quantas noites mal dormidas, manhãs mal acordadas... Da nossa história só resta as sombras, as imagens vão desaparecendo com o tempo, ficando cada vez mais distante e o vento soprando, soprando até não ficar mais nada. Assim será... Duas sombras seguindo cada qual seu caminho com uma história guardada no coração sem poder reviver e evitando lembrar pra não sofrer... que fiquem então só as sombras, é o que nos resta...

Hoje eu quero falar de flores... as amarelas, minhas prediletas que me trazem tantas lembranças boas, felizes, alegres. Acho que o amarelo é a cor da alegria, da disposição de tentar ser feliz! Lembro quando ele me mandava fotos dos girassóis e como me deixava encantada porque dizia que esse lindo campo de flores ficava no caminho do seu trabalho e  as vezes parava apenas para fotografar e gentilmente mandava as fotos para mim. E eu encantada com cada foto, cada palavra, cada frase, cada fala, cada girassol. Lembro que improvisei um vaso só para colocar flores amarelas que eu comprava quando ia ao supermercado para deixar sua casa mais bonita e o meu dia mais alegre. Eu parecia uma criança toda feliz vindo pela rua com as minhas flores amarelas pensando em organizá-las no vaso improvisado e talvez ele nunca tenha notado o quanto me fazia bem enfeitar sua casa e o quanto me fazia feliz deixar seus dias mais leves e mais bonitos, tentando trazer a primavera para  aqueles dias frios. Quantas vezes a tarde eu sentava na escada que ficava em frente a janela e tomando um chá ficava perdida apreciando o cair da neve,  o modo como tudo ficava branco, encantador, assustador, melancólico e então quando os pensamentos vagavam para os questionamentos de sempre eu olhava para as minhas flores amarelas no vaso improvisado que me faziam tão bem. Hoje eu quero falar de flores...

Neste dia eu estava tão bem, com uma rotina tão agradável desfrutando do calor da cozinha no apartamento, pensando no que fazer para o almoço, mas precisava ir no supermercado e enfrentar o frio, mas naquele dia apesar do frio estava um dia lindo, o sol resolveu dar o ar de sua graça, a neve estava derretendo e um vento gélido entrando por minhas narinas, me fazendo amar o toque do sol no meu rosto frio. Faço o caminho de sempre, compro o que preciso e volto para o aconchego do lar, para o calor da cozinha... Na volta desfruto da paisagem de sempre, dos meus pensamentos confusos, do misto de emoções que fazem parte de minha vida pacata, o pensamento sempre vagando, atravessando o oceano, atravessando as fronteiras da minha alma, sempre... naquele dia eu estava sozinha no apartamento, mas estava em paz, apesar da confusão dos meus pensamentos, dos meus sentimentos!!! Subo as escadas com as sacolas das compras, abro a porta, entro e me tranco como sempre fazia. Tiro as botas, o casaco e faço meu almoço. Depois do almoço me entrego as tarefas domésticas e as horas passam mais rápido que o esperado. O sol que beijou minha pele começa a ir embora e o silêncio se torna gritante dentro de mim. Estava sozinha, longe de todos  e com o chegar da noite o dia foi se tornando meio assustador e novamente os pensamentos, ah! sempre meus pensamentos que sabotam meus momentos quando estou em estado de graça se faz presente. O dia de ir embora estava próximo, o dia de deixá-lo tornava meu coração apertado, sem saber como lidar com tudo aquilo. Como seria voltar e deixar meus sonhos todos ali???  Sonhos simples, sonhos de menina talvez, sonhos que a nova sociedade feminina talvez desconheça e de repente me ache tão sem graça, tão pequena diante do mundo, mas eram sonhos ousados, falidos, sofridos, impossíveis de serem realizados... mas eu sonhei!!! A noite chegou, preparei meu banho e entrei na banheira para desfrutar da água morna e perfumada na minha pele e eu me entregava de corpo e alma aqueles momentos de paz. Preparei meu jantar, fiz uma massa e tomei uma taça de vinho tinto. Devido ao fuso horário do Brasil não tinha ninguém pra conversar comigo e a noite silenciosa começou a fazer barulho, então fui assistir um filme naquele quarto que me fazia olhar para as escadas sempre assustada, com medo das minhas próprias pegadas, como ele dizia, eu sou realmente uma tontinha medrosa. Noite longa, silenciosa, barulhenta... E meses depois meus pensamentos continuam atravessando o oceano, atravessando as fronteiras da minha alma e fazendo muito barulho!!!

Apesar de, o sol continua nos saudando com um novo dia, apesar de, a chuva continua molhando a terra, apesar de, o sol continua se pondo e nos presenteando com a chegada da lua e das estrelas, apesar de, o mundo continua girando... apesar de, a vida segue... sempre!!!

Não importa o que aconteça, o que eu sinto, o que penso, tudo continua igual, as mudanças talvez aconteçam dentro de nós, algum dia...

Apesar de...